A quitação de financiamento antes do prazo pode ser bastante vantajosa, mas é importante entender todos os detalhes sobre essa ação.

O financiamento é uma das formas mais utilizadas pelos brasileiros para realizar o sonho da compra de um imóvel. Isso acontece porque esse tipo de investimento têm alto custo e nem todos conseguem juntar essa quantia para pagamento à vista.

Assim, recorrer às linhas de crédito como financiamento pode ser uma das melhores opções.

No entanto, com o passar do tempo, muita gente consegue fontes de renda extra ou se organiza financeiramente de modo que consegue reunir um valor para a quitação de financiamento.

Apesar de ser o desejo de muita gente, quitar o financiamento com o objetivo de reduzir os juros pode ou não ser uma escolha vantajosa.

Preparamos esse conteúdo para te ajudar a entender o assunto. Confira!

Como funciona o financiamento?

O financiamento é uma linha de crédito imobiliário oferecida pelas instituições financeiras, pela qual o cliente pode parcelar a compra ou a construção de um imóvel. 

Por outro lado, quando financiado, o imóvel fica sob custódia do banco até o pagamento total da dívida. Ou seja, o proprietário só se torna o verdadeiro dono quando o financiamento for pago integralmente.

Além do valor emprestado, o banco também cobra taxas de juros, seguros e outras tarifas que variam de acordo com o contrato.

Na maioria das vezes, quanto maior o tempo de pagamento (número de parcelas), maiores são os juros cobrados pela instituição financeira.

A boa notícia é que se o cliente quiser abater o saldo devedor com pagamentos maiores que as parcelas estipuladas isso é possível, assim como a quitação de financiamento.

Vale a pena fazer a quitação de financiamento?

Ninguém gosta de ter dívidas, principalmente quando se trata se algo tão duradouro quanto um financiamento. Por isso, se você tem em mãos um dinheiro extra, vale a pena avaliar a possibilidade de quitação de financiamento.

Apesar de parecer sempre uma boa ideia, é preciso avaliar os números e regras da instituição financeira para entender se vale mesmo a pena, principalmente em situações em que o valor em mãos pagará apenas uma parte da dívida.

Se você tiver o dinheiro para quitar a dívida completa, faça uma comparação das taxas de juros obtidas com um investimento e do Custo Efetivo Total (CET) a partir do momento do contrato.

Se depois dos cálculos você perceber que a taxa do investimento é maior que o CET, a quitação não é interessante. Por outro lado, se o CET do financiamento for maior, a quitação é uma boa alternativa.

Se o objetivo for amortizar o saldo devedor, é preciso ainda se atentar aos cálculos, como você verá a seguir.

Como calcular antecipação de parcelas de financiamento?

Quando o devedor opta pela antecipação, é concedido um desconto sobre as taxas embutidas nas parcelas do financiamento. 

Saber calcular antecipação de parcelas de financiamento ou qual o valor de desconto para quitar um financiamento é importante para entender se essas escolhas fazem sentido.

O cálculo deste desconto não consiste em retirar todas as taxas do montante devido. O cálculo de desconto é feito de maneira proporcional ao tempo que falta para a quitação da dívida. Em alguns casos as taxas continuam sendo cobradas mesmo com a amortização ou quitação.

Sendo assim, para esse cálculo você precisa considerar todos os custos da operação, como a Taxa Referencial (TR), seguros, tarifas mensais, serviços administrativos, tarifa de avaliação e impostos. 

Para financiamentos contratados antes de 2007, há ainda uma tarifa bancária cobrada para a quitação de financiamento. Por isso, é importante verificar com atenção o contrato.

Tem como transferir financiamento de imóvel para outro titular?

Apesar de muita gente não conhecer, essa possibilidade existe!

Existem casos em que o devedor decide vender o imóvel antes da quitação de financiamento. Esse recurso é chamado de repasse imobiliário e costuma estar incluído em contrato pela maioria dos bancos. 

Com ele, mediante aprovação prévia da instituição financeira é possível transferir a dívida para outra pessoa, que se tornará o novo comprador.

Veja o nosso material sobre repasse de financiamento e saiba como fazer!

Outra alternativa para o seu financiamento

Se você fez as avaliações citadas neste post e percebeu que a quitação de financiamento pode não ser tão vantajosa quanto o esperado, ainda há outra opção: a portabilidade.

A portabilidade de financiamento imobiliário é uma migração que o devedor pode fazer com o seu financiamento para outro banco. Esse recurso serve para quem está interessado em encontrar melhores taxas e reduzir os juros do contrato.  

Para simular portabilidade de financiamento imobiliário o devedor deve ter em mãos o extrato atualizado da dívida e algumas informações básicas sobre o imóvel. Assim, basta contatar diretamente os bancos por telefone ou em suas agências.

Porém, para simular com mais rapidez, transparência e objetividade no processo, você pode fazer por Kzas Krédito. Dessa forma, você simula de uma vez só em mais de 5 bancos e compara a melhor taxa para o seu contrato.

Se precisar, você também pode consultar os especialistas em imóveis para saber se vale a pena fazer a quitação de financiamento ou portabilidade.

Se você está procurando um imóvel para comprar, confira essas oportunidades:

Acesse também as nossas redes sociais para saber mais e tirar dúvidas: LinkedIn, Instagram e Facebook.