A pandemia do coronavírus vem trazendo grandes impactos para a economia: diversos estabelecimentos tiveram de fechar, diversos eventos foram cancelados, assim como diversas pessoas deixaram de sair de casa. Todos esses fatores fizeram com que o dinheiro circulasse menos na economia brasileira.

Para promover a economia e impedir que grande parte do capital fosse colocado em investimentos de renda fixa, o governo diminuiu a taxa Selic, baixando a rentabilidade desses investimentos e estimulando o capital a ser realocado em outras áreas da economia, como o setor imobiliário. Isso porque a queda da Selic reflete diretamente nos juros do financiamento imobiliário e, consequentemente, com um financiamento mais barato mais pessoas acabam comprando um imóvel.

Por que a taxa Selic influencia a taxa de juros dos empréstimos imobiliários?

A taxa do Sistema Especial de Liquidação e de Custódia (Selic) é um valor fixado pelo Banco Central que dita o rendimento de certos investimentos de renda fixa e influencia fortemente outros.

O investimento no Tesouro Direto, por exemplo, nada mais é do que emprestar dinheiro para o governo para que ele pague a você um valor um pouco maior no futuro. Esse “valor um pouco maior” é ditado pela taxa Selic. Se a taxa cair, o rendimento do tesouro direto também cai.

Na verdade, a taxa Selic influencia toda forma de investimento. Se a taxa Selic está muito alta, o investimento em Tesouro Direto, que é considerado uma das formas de investimento mais segura, também terá um rendimento alto.

Assim, se um banco tem a possibilidade de emprestar dinheiro para o governo e receber um retorno de 10%, a única motivação que o banco tem para emprestar dinheiro para alguém por meio de um financiamento imobiliário, em que os riscos são muito maiores, seria obter um retorno maior do que 10%, o que significa que o banco precisaria cobrar juros ainda mais altos.

Agora, quando a taxa Selic cai, o inverso acontece. Emprestar dinheiro para o governo deixa de gerar um bom retorno, e o banco precisa encontrar outras formas de empréstimo que garantam um retorno maior. Uma delas é o empréstimo para financiamentos imobiliários.

Nessa situação, o banco redireciona o dinheiro que costumava emprestar para o governo para os empréstimos imobiliários. Com mais dinheiro para emprestar, são necessários mais clientes; para atrair mais clientes baixam-se os juros.

Mas por que não baixar só um pouco? Porque os outros bancos também estão fazendo a mesma coisa e buscando mais clientes. Então, começa uma disputa de diminuição das taxas de juros para atrair mais clientes; assim, os bancos acabam baixando os juros a um valor que é interessante para eles. 

Então é um bom momento para comprar um imóvel?

A taxa Selic atingiu o seu menor nível histórico, o que puxou os juros de financiamento para baixo. Então, sim, esse é um ótimo momento para comprar um imóvel.

O investimento em imóveis é um dos queridinhos do brasileiro, afinal, quem não sonha com a conquista da casa própria?

Essa matéria foi criada pela equipe do Live, canal de conteúdo imobiliário do Apto, o maior shopping de apartamentos novos do Brasil.